quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

VARIAÇÃO SOBRE UM MESMO TEMA*

O medo está lá fora latindo
             toca viola por causa das pulgas
e raspa o corpo na calçada para fugir da agonia

Seu desconcerto atravessou a rua
             e agora gane esfomeado 
Não é medo o que sente, é raiva essa mistura
             de dor e retaliação

Aqui dentro não é o medo nem a fuga que triunfa
            mas o azedo da solidão
e seu desconserto com seus habitantes

A gata lambe as almofadas de suas patas gentis
          com garras afiadas prontas para a batalha.

*Inspirado no Poema de Volmar Camargo Júnior, postado em seu blog Dicionário Giratório, no dia 15/01/2014.

2 comentários:

V. disse...

que ninguém duvide da superioridade dos felinos!

bom poema, Adriane

Adriane dias bueno disse...

Gostei de fazer esse poema inspirado no teu, V.
Apesar de não ser uma interpretação muito próxima do que quiseste dizer, gosto muito quando o que escreves me inspira.
Em geral teus poemas fazem isso.
Obrigada pela leitura e comentário.
Abraço.